OS SABORES DO PALÁCIO (LES SAVEURS DU PALAIS, FRANÇA, 2012)

(Crítica publicada por "Anjo Da Guarda", com seu nome original, no caderno de Cinema da Rede Bom Dia de jornalismo, edição de Itatiba, São Paulo)





“Uma das melhores surpresas do ano. Cheio de dignidade e respeito, com senso de humor e drama na medida certa, filme acertou ao mostrar história baseada em fatos reais de mulher que trabalhou como cozinheira de político francês.”


Dignidade e princípios. Compromisso e responsabilidade. Essas são as coisas que realmente tornam-se um diferencial em nossa jornada de vida. Uma outra dica muito importante, corajosa por demais e que poucas pessoas tem como objetivo, é saber o momento em que devemos parar, saber quando já cumprimos com o nosso objetivo e partir. Simplesmente partir. A personagem de “Os Sabores Do Palácio (Les Saveurs du Palais, França, 2012)”, fez plena consideração de tais coisas e como pessoa madura (ou adulta, diga-se de passagem) não hesitou em tomar essas decisões. A história é baseada em fatos verídicos, mas um pouco mudados, já que o diretor Christian Vincent, preferiu preservar os verdadeiros envolvidos. Ainda assim sabe-se que a história é baseada na vida de Danièle Deupelch, que durante algum tempo foi cozinheira de François Mitterrand, presidente do partido socialista francês. O filme é administrado com uma mão segura por parte do diretor, sem apelação dramática e com senso de humor incrível. Na tela mostra-se o que se deve apenas, num roteiro intercalado por dois tempos, o atual e o passado, de 4 anos atrás, quando Hortense Laborie (a personagem extremamente bem interpretada pela excelente Catherine Frot) foi contratada para trabalhar na cozinha do palácio do governo.


A cozinha francesa é uma das mais importantes do mundo, totalmente habitada por homens, talvez hoje tenha um pouco mais de presença feminina, mas ainda é predominantemente masculina. Foi nesse contexto também que Hortense foi trabalhar no palácio, precisou passar pela repugnância do chefe da cozinha central e ignorar os olhares de todas as dezenas de ajudantes, mas como já era uma mulher forte, tirou de letra. Ela mesma diz após experimentar uma sobremesa do chefe, que lhe falta um detalhe, sua comida ser mais autoral. E esse era seu diferencial, a autenticidade de sua cozinha, afinal como o próprio presidente lhe disse numa das poucas e emblemáticas conversas que teve com ele, seu desejo era o de sentir que estava comendo a comida de sua avó, a comida de casa que traz as lembranças da infância. A responsabilidade de Hortense seria comandar a cozinha de onde sairiam às refeições do presidente e convidados e por isso agiu com firmeza. Mais a frente precisou também se adaptar as exigências do local, em determinada sequência é chamada numa sala para ouvir novas considerações a respeito de seu cardápio, pois a pedido do médico, o presidente precisa seguir regras saudáveis devido a sua saúde. A grande questão é como a mulher se portou diante de tais mudanças em sua vida. O início do filme, na verdade, mostra Hortense, vista como uma espécie de lenda, chegando para trabalhar no arquipélago de Crozet, na Antártida, cozinhando para dezenas de trabalhadores. Sua figura desperta a curiosidade de uma documentarista australiana, que por acaso estava no local e que vai tentando a aproximação com Hortense, no início um tanto difícil e depois aceita. Pela maneira como o filme vai se narrando temos a impressão de estar descobrindo a história junto com ela. Esta parte da história é importante por demais para elucidar a outra parte. A personagem tem um comportamento diferente nos dois momentos.



É a receita certa. A atriz consegue caminhar de um momento a outro da história perfeitamente bem, com significantes mudanças no semblante, deixando claro o crescimento interior da personagem. No palácio chegou apreensiva, na Antártida é calejada; no primeiro lugar tinha apenas ao seu lado o apoio de um fiel ajudante, no outro lugar conquistou a todos. Mas tudo partiu de um único local, de uma única situação, que passou a ser definitiva para ela: cozinhar para o presidente. O significado disso transformou sua vida. Numa das sequências mais belas, o presidente procura pela cozinha a noite, quando tudo já está escuro e encontra a mulher. Trocam poucas palavras e ele pede que ela lhe sirva algo e ali ambos tratam-se numa relação de amizade praticamente velada. Poderia ser mais? A pergunta fica sem resposta, pois ela parte do palácio, ela vê o momento em que sua missão provavelmente já se cumpriu ali e decidi ir embora. Talvez não queira se envolver com a situação, o presidente assume uma imagem especial dentro dela, mas muito intocável. O filme surge como uma pequena lição para toda, fato que a documentarista australiana parece perceber quando Hortense precisa partir da Antártida. Atitudes as vezes difíceis, mas que deixam uma herança de honra que, nem com qualquer dinheiro do mundo, se pode comprar.



NOTA: 9




Daniel Serafim Mais Cinema

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente sobre o filme ou o blog. Pergunte, reclame ou elogie.

Obrigado...