Crítica: Um Estranho Vampiro (1988; de Robert Bierman)

Até agora o filme mais engraçado que eu havia visto esse ano era Débi e Loide 2, mas Um Estranho Vampiro se superou. Não é mais engraçado que o Drácula Morto Mas Feliz de 1995 (uma paródia de filmes de vampiro), mas com certeza vai ficar para sempre na minha memória. Me despertou muito interesse neste filme através de um famoso meme no Facebook, então procurei com meus contatos cinéfilos sobre o filme e quando vi as imagens do longa tive que assistir. Talvez desperte o interesse em vocês também.


São essas caretas e loucuras que Nicolas Cage se submeteu para seu papel que tornam o filme hilário. Ele entrou tanto no papel do maluco Peter Loew, que comeu uma barata durante uma cena e antes das filmagens queria ser mordido por um morcego de verdade. Na trama Peter Loew é um homem bem sucedido, tanto no trabalho como na sua conquista com as mulheres, que para ele são apenas diversão. Mas ele está convencido de que foi mordido por uma vampira e esta se tornando um. Como ele se prepara para seu novo estilo de vida? Compra uma dentadura de vampiro (de plástico) e sai a noite para pegar pombos para comer.


O que leva um homem bem sucedido e atraente a usar uma dentadura de vampiro feita de plástico e sair comendo insetos e pombas, porque está convencido de que foi mordido por uma linda vampira? É o desejo desesperador de encontrar o amor verdadeiro. Na verdade essa louca ideia de que Rachel (a última mulher com quem saiu) é uma vampira, vem da crença de que os vampiros são seres que controlam os humanos, eles tem o poder de mandar nas pessoas, ou seja, ele apenas queria poder amar uma mulher na qual ele pudesse se submeter. Mas ele é muito esnobe.


O longa parece ter sido feito com pouco orçamento, mas o enredo e a atuação de Nicolas Cage é o que ganha destaque. O que mais gostei foi a forma de como foi se evoluindo a doença mental de Peter. Ele inclusive tem uma séria conversa com uma parede, onde ele imagina-se conhecendo a mulher perfeita para ele, mas quando chega em casa ele já não quer mais a sua imaginária companheira. Não adianta ele não quer compromisso.



Diretor: Robert Bierman

Sinopse: Em Nova York Peter Loew, um agente literário, entra em um clima de loucura total quando começa a acreditar que foi mordido por uma vampira, Rachel, uma mulher que ele levou para a cama, e que ele lentamente esta se tornando um vampiro. Então ele começa a aterrorizar Alva Restepo, sua secretária e primeira vítima em potencial.

Elenco: Nicolas Cage, Jennifer Beals, Maria Conchita Alonso, Elizabeth Ashley, Bob Lujan.

Trailer:


Cherry Bomb

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente sobre o filme ou o blog. Pergunte, reclame ou elogie.

Obrigado...