Crítica: Voo 7500 (2014, de Takashi Shimizu)


Voo 7500  era um filme que estava aguardando desde quando foi liberado o primeiro trailer em 2012, fiquei tão entusiasmado e com a expectativa bem alta achando que iria assistir a um excelente filme de terror sobrenatural pois, o elenco é repleto de rostos conhecido, o diretor envolvido já havia nos entregado outro ótimo filme do gênero e o roteiro é no mínimo curioso, mas como todos sabem quanto mais esperamos por um filme e quanto maior a nossas expectativas maior e mais cruel é a decepção e é justamente o que aconteceu não só comigo, mas com todos que esperavam este filme desde de 2012, que tinha tudo para ser bom mas infelizmente não é. O primeiro problema a ser apontado é o enorme lapso de tempo entre o lançamento do primeiro trailer e o seu lançamento nos cinemas, que ocorreu somente em 2014 nos EUA e apenas este ano  no Brasil.
Na história o Voo 7500 parte de Los Angeles com destino a Tóquio. Enquanto o avião sobrevoa por 10 horas até chegar no seu destino, os passageiros começam a notar uma presença sobrenatural na cabine. Ao longo de dez horas, a tripulação passará por momentos de terror e medo enquanto um a um dos passageiros vão desaparecendo de maneiras assustadoras.




Pela sinopse e pelo trailer a sensação que temos no final da projeção é de que fomos enganados pois tudo dá a entender que se trata de um filme de terror, mas não se engane, esse filme pode ser tudo menos terror, classificaria como sendo um suspense água com açúcar.

O filme começa nos apresentando os passageiros do voo, que são os mais genéricos e clichês possíveis, temos o manjado casal em crise, os pombinhos recém-casados, a gótica sinistra, o homem misterioso e por aí vai... Inicialmente a produção até que consegue manter um bom clima de suspense, sendo ele aumentado após a morte de um dos passageiros que carregava um mala misteriosa porém, tudo que foi construído até então é jogado no lixo depois que ocorre uma despressurização na cabine do avião.


O mistério em volta da mala é concluído de forma tão frustrante, assim como a forma com que os personagens vão desaparecendo, tudo é feito de um jeito sem graça, sem nenhum impacto ou qualquer tensão, os sustos presente no longa não passam de efeitos sonoros, que são aumentados para provocar sustos falsos e para piorar a finalização da história é muito genérica e já foi explorado por diversas outras produções. 

Logo percebemos que o filme tem um orçamento bem limitado pois, as turbulências não são bem feitas e as cenas que mostram o avião externamente são horríveis, assim como os efeitos da neblina, que de tão mal feito fica evidente estar saindo de uma máquina. Algo que ainda não mencionei mas que a distribuidora fez questão de divulgar é o fato de diretor ser o mesmo dos filmes O Grito e O Grito 2, que na prática não faz diferença nenhuma, somente a vergonha que ele deve estar sentindo por ter envolvido com um filme tão ruim.


O que chamou mais atenção na produção com toda certeza foi o elenco que está realmente excelente para um filme de menor orçamento, temos Ryan Kwanten (Gritos Mortais e da série True Blood), Amy Smart (Efeito Borboleta e Espelhos do Medo), Leslie Bibb (Homem de Ferro e O Último Trem), Jamie Chung (Sucker Punch - Mundo Surreal e Se Beber Não Case 2), Scout Taylor-Compton (do remake Halloween), Nicky Whelan (Passe Livre e Padrinhos Ltda), Jerry Ferrara (Entourage) e por fim Christian Serratos (The Walking Dead), nenhum deles chegam a se destacar mas, neste caso a culpa é do roteiro que desperdiça um elenco bom com papéis triviais.

Enfim, a produção foi uma decepção total,  ele não empolga, não inova e não ousa, tinha tudo para ser bom mas, infelizmente não foi, poderá agradar aqueles que assistirem sem nenhuma expectativa, o que acho difícil de acontecer mas, se alguém estiver disposto a dar uma chance já fiquem avisados.



OBS: Para aqueles que não assistiram o filme recomendo que não vejam o trailer, pois as melhores cenas que acontecem no longa estão nele.

Título Original: 7500

Direção: Takashi Shimizu

Elenco: Ryan Kwanten, Amy Smart, Leslie Bibb, Jamie Chung, Scout Taylor-Campton, Nicky Whelan, Jerry Ferrara, Christian Serratos.

Trailer:

Jackson Willian

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente sobre o filme ou o blog. Pergunte, reclame ou elogie.

Obrigado...