Kung Fu Panda 3 (2016, Jennifer Yuh Nelson, Alessandro Carloni)



Sou suspeita para falar sobre esse filme, já que ‘Kung Fu Panda’ é um das minhas animações preferidas. No primeiro filme somos apresentados a esse simpático panda, comedor de macarrão que tem o sonho de lutar kung fu com seus heróis – Os Cinco Furiosos – e mesmo contra todos, ele consegue se superar e se tornar o Dragão Guerreiro. Já no terceiro filme, remete ao passado do Po, suas raízes e sua origem. Conhecemos finalmente seu pai, sua família e aldeia onde ele vivia antes de ser adotado.

Nesse filme em especial, vemos uma evolução muito grande na personalidade do Po. No primeiro filme ele era ingênuo e sem noções do seu verdadeiro poder, no segundo, o mais sombrio na minha opinião, vimos outra demanda dos seus poderes e descobrimos um pouco mais sobre seu passado. Já neste, ele tem diversas responsabilidades e deveres que antes ele nem sonharia em ter.


O vilão, mais uma vez, ficou em segundo plano, pois o que realmente quiseram mostrar foi à origem do Po e seu mais novo desafio, ser o Mestre do Chi. E nos foi mostrado de forma leve, divertida e emocionante porque não. Observação especial para o Chi, que pode se dizer, ser a nossa força vital, onde somente quando os personagens se aceitam e buscam o seu melhor, precisando ajudar alguém é que ela consegue ser liberada. É um filme que não deixa a desejar no quesito comédia claro, tem seus momentos de tensão e ficamos torcendo pra chegar logo a parte que o Po salva o dia. A trilha sonora é muito acertada também, nos motiva e encaixa muito bem nas cenas de lutas e de diversão. As cores muito chamativas e conversam muito bem entre si, combinando com a natureza alegre da vila e dos moradores.



Temos uma moral de que, se você não tentar, nunca vai conseguir. Não estacione no que você sabe fazer, tente fazer coisas novas. Coisas que talvez você nem sabe que é bom e o valor da amizade, sempre muito presente nos filmes. Nesse em especial vimos a família do Po se transformar, agora ele tem dois pais, mostrando que o conceito de família pode ir muito além do que aquela de pai, mãe e filho. Muito interessante que eles colocam isso de forma bem natural e levam para o filme o que para nós aqui fora é tão comum e vivemos hoje em dia.

Achei “Show de Bola!”. Queria eu ser um panda.



 Nota: 9,5

Direção: Jennifer Yuh Nelson, Alessandro Carloni.

Elenco: Po - Jack Black/Lúcio Mauro Filho, Mestre Tigresa - Angelina Jolie/Maíra Góes, Mestre Shifu - Dustin Hoffman/Leonardo Camilo, Mestre Víbora - Lucy Liu/Priscila Amorim, Mestre Macaco - Jackie Chan/Ricardo Schnetzer, Mestre Garça - David Cross/Philippe Maia, Mestre Louva-a-Deus - Seth Rogen/Marco Ribeiro, Sr. Ping - James Hong/Pietro Mário, Li Shan - Bryan Cranston/Anderson Coutinho, Mei Mei - Kate Hudson/Aline Ghezzi, Kai, O Coletor - J.K. Simmons/Leonardo José, Mestre Oogway - Randall Duk Kim/Carlos Gesteira, Bao - Steele Gagnon/Rafael Mezadri.

Sinopse: Desta vez, Mestre Shifu tem como principal ensinamento fazer com que Po aprenda a técnica de dominação do Chi, uma espécie de “energia vital”. Porém, o atrapalhado panda acaba se desconcentrando com a chegada do pai de sangue, o panda Li, que o carrega para a vila secreta dos pandas – aguçando o ciúme do Sr Ping, o “pai” ganso de Po. Em paralelo, o poderoso touro Kai, O Coletor, um centenário inimigo do Mestre Oogway, reúne forças para voltar para o mundo dos vivos e tomar o que ele acha que é dele por direito. Caberá a Po e seus amigos impedir o maléfico plano do vilão.

Trailer:


Escrito por Natália.

Gostou? Deixe um comentário ;)


Natália Vieira

Gosto de filmes e sou viciada em séries e música boa. Não tem muito o que dizer depois disso.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente sobre o filme ou o blog. Pergunte, reclame ou elogie.

Obrigado...