Crítica: Kubo e as Cordas Mágicas (2016, de Travis Knight)




Kubo e as Cordas Mágicas é uma bonita história japonesa com um quê hollywoodiano. A nova animação em stop motion dos estúdios Laika é a estreia de Travis Knight na direção, um já conhecido no mundo das animações por produzir e animar ParaNorman, The Boxtrolls e Coraline. Com uma técnica em stop motion delicada e um doce ar oriental, é uma das animações mais belas do ano. Porém, conta com alguns pequenos tropeços que poderiam ter sido evitados com um pouquinho mais de aperfeiçoamento.



Kubo é um garoto que mora com sua mãe em uma pequena vila no Japão, e adora contar histórias para os moradores usando as cordas mágicas de seu shamisen (violão japonês de três cordas) para dar vida aos seus origamis e usá-los como fantoches. Entre um origami e outro, algo inesperado acontece envolvendo espíritos malignos e vingativos. E mistérios envolvendo sua mãe e seu passado são levados à tona, mudando drasticamente a vida tranquila de Kubo. A animação é muito bonita visualmente e envolve muito bem a cultura oriental. Samurais, kimonos, máscaras japonesas e até o delicado som das cordas de Kubo constroem a leve e agradável atmosfera japonesa do filme. Um traço bem original desse stop motion.


O uso da técnica de stop motion em Kubo e as Cordas Mágicas é bonito, porém, sutil. Regressando em vários momentos para os efeitos de computação e deixando a massinha de lado (assim como visto no fraco e decepcionante ParaNorman, de 2012). Em certas cenas, acabamos até esquecendo que se trata de um stop motion e o vemos como uma animação normal. Uma das coisas mais mágicas em assistir um filme deste gênero são os efeitos tão únicos e especiais, e é decepcionante ver a quantidade alta de uso gráfico em um filme como esse.



A animação de Knight tem uma premissa boa, interessante e original. Afinal, qual outra animação tem como personagens principais um jovem garoto japonês, uma macaca e um besouro vestido de samurai? Mas mesmo tendo todas essas características únicas, elas acabam sendo um pouco ofuscadas com um roteiro um tanto problemático, devido a inúmeros momentos previsíveis. Claro que é uma animação cujo público alvo é o infantil, então não podemos esperar um roteiro brilhante. No entanto, já vimos várias vezes casos de animações voltadas para esse público serem extremamente bem construídas e de terem um roteiro digno (como o recente Divertida Mente da Disney), então Kubo e as Cordas Mágicas realmente deixou a desejar muito nesse quesito.



Kubo e as Cordas Mágicas conta com um elenco de peso e um excelente trabalho de voz de cada um. Principalmente de Art Parkinson e Rooney Mara, que fazem um ótimo trabalho como Kubo e as Irmãs, respectivamente. Charlize Theron como a Macaca, Matthew McConaughey como o Besouro e Ralph Fiennes como o rei da Lua/Raiden, estão muito bons também. Algo a se destacar dos personagens do filme é a diversidade e aquilo que eles representam: o reforço do pensamento de que não somos apenas aquilo que aparentamos por fora, mas o que vale realmente, é aquilo que nós somos por dentro. São essas pequenas mensagens que fazem a diferença nessa animação em stop motion. E a faz valer a pena.

Há uma boa construção de personagens, apesar de todo o enredo manter mistérios sobre isso. Kubo, a Macaca e o Besouro são personagens ótimos com belas características que juntos, são protagonistas das cenas mais divertidas do longa, mesmo eles estando em apuros. Os vilões, principalmente as Irmãs, são assustadores e mantém uma atmosfera obscura quando aparecem. Perfeita para manter o clímax apropriado.



No fim, Kubo e as Cordas Mágicas é um bom stop motion com uma mensagem bonita por trás que certamente irá emocionar muitas pessoas. Mas infelizmente, a animação emperra aí e não passa disso. Com um roteiro muito simples que tropeça no previsível e acaba perdendo toda a originalidade que prometia. Mas ainda é uma boa diversão e um leve entretenimento para todos os cinéfilos, tanto os mirins como os adultos! Vale a pena conferir pelas simplicidades encantadoras do enredo e pela bela moral que é passada no final.





Título Original: Kubo and the Two Strings

Direção: Travis Knight

Elenco: Art Parkinson, Rooney Mara, Charlize Theron, Matthew McConaughey, Ralph Fiennes

Sinopse: Kubo vive uma normal e tranquila vida em uma pequena vila no Japão com sua mãe. Até que um espírito vingativo do passado muda completamente sua vida, ao fazer com que todos os tipos de deuses e monstros o persigam. Agora, para sobreviver, Kubo terá de encontrar uma armadura mágica que foi usada pelo seu falecido pai, um lendário guerreiro samurai.


Trailer:

E você, já conferiu Kubo e as Cordas Mágicas? Não esqueça de deixar seu comentário com sua opinião!

Tayná Garcia

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente sobre o filme ou o blog. Pergunte, reclame ou elogie.

Obrigado...