Crítica: Jersey Boys - Em Busca da Música (2014, de Clint Eastwood)




Nesse filme baseado no musical da Broadway, Jersey Boys, Clint Eastwood consegue transpor com bastante eloquência a história de como Francesco Casteluccio e seu falsete, que encantava a todos que o ouviam, se unem ao terceto de pop/rock que se tornaria um dos maiores sucessos da década de 60, o Four Seasons.


Cena do musical
Musical da Broadway
Apesar de ter dirigido Bird (filme musical sobre o jazzista Charles “Bird” Parker),a filmografia de Clint Eastwood indica o quão atípico um musical seria para adicionar a sua lista. Seu currículo tem diversos clássicos de faroeste, Gran Torino, Menina de Ouro, A Conquista da Honra e Cartas para Iwo Jima. Só para citar alguns exemplos de como um musical seria uma obra bastante fora da curva. Por mais surpreendente que possa parecer à primeira vista vê-lo na direção de Jersey Boys, logo se percebe uma peculiaridade que levemente o destoa dos filmes do gênero. Embora seja um musical, Jersey Boys não se restringe a números musicais com dança e coreografias com as canções da banda, mas mostra de forma bastante eloquente os maiores acontecimentos que circundaram a vida de Frankie Valli. 

Através de recursos narrativos criativos, como a quebra da quarta parede, que acontece de forma bastante natural pontuando cada um dos episódios mais marcantes, alternando o narrador entre os membros da banda a cada grande evento, somos introduzidos a personagens carismáticos e que foram essenciais para a gênese da Four Season.


O filme se inicia em Belleville, em Nova Jersey, no início da década de 50, quando Tommy DeVitto nos apresenta um Frankie Valli ainda bastante novo, com 16 anos de idade, trabalhando em um barbeiro como auxiliar. Um dos frequentes clientes da barbearia era Angelo Gyp DeCarlo (interpretado por Christopher Walken), uma grande figura da máfia que acabaria se tornando alguém de bastante importância para o sucesso inicial da banda. Segundo o próprio Valli em uma entrevista dada a Parade Magazine, a figura de DeCarlo era quase que como a de um pai, dando-lhe conselhos e ajudando a banda em seus anos iniciais para que conseguissem tocar em bares que ele possuía.

Uma das maiores surpresas no filme é a presença de Joe Pesci (interpretado por Joseph Russo) como sendo parte fundamental da história da banda. Conhecido por ter feito Bons Companheiros e Casino, Joe Pesci foi quem apresentou Bob Gaudio a Tommy DeVitto quando eles estavam em busca de um quarto membro. Existe até uma singela homenagem a ele no filme. Em uma cena na qual Joe Pesci, no filme interpretado por Joseph Russo, vai dizer a Bob Gaudio que existe uma banda que ele deveria conhecer, ele fala “funny how?”, que faz parte de uma das cenas mais icônicas de seu personagem em os Bons Companheiros. Além da referência aos Bons Companheiros, havia um questionamento sobre a possível aparição do próprio Clint Eastwood no filme, o que foi feito de forma sútil. Há um momento em que Bob Gaudio está assistindo à uma série da década de 60 chamada Couro Cru na televisão, é possível ver um Clint Eastwood mais jovem na cena.




Apesar de haver algumas coisas não legítimas com relação a história da banda no filme, presentes apenas para enfatizar algo ou mostrar de maneira mais poética, ele é bem preciso aos acontecimentos, inclusive ao envolvimento de Tommy DeVitto com a máfia e a corriqueira passagem pela prisão. No filme, no entanto, é dito que a ida de Tommy DeVitto à Las Vegas e consequente afastamento da banda se deu por ameaças sofridas pela máfia, mas em entrevista, o próprio diz apenas que foi para Las Vegas porque tinha parentes e amigos por lá, não mencionando ameaças à sua vida ou à banda. Essas ameaças tiveram origem numa dívida fundamentada em empréstimos que somavam 150 mil dólares, que assim como no filme, realmente existiu.  



Toda a cenografia presente é muito bem ambientada na década de 50, construindo um universo cheio de estabelecimentos, figurinos e veículos tão característicos da época, nos transportando a esse período agora tão distante. Como já de costume dos filmes de Clint Eastwood, a fotografia fica a cargo de Tom Stern, ganhador do Oscar de Melhor Fotografia em 2009 por A Troca, também de Clint Eastwood. As cenas resultantes desses cenários tão cheios de elementos vintages faz com que muitas vezes tenhamos a sensação de estar folheando um velho álbum com fotos antigas. Uma cena bastante interessante acontece quando os membros da banda estão discutindo no estacionamento de um boliche sobre o futuro da banda. O neon do letreiro com o nome do boliche se acende iluminando-os mostrando o restante das letras faltantes, onde agora podia-se ler Four Seasons. Segundo os membros da banda, o nome foi realmente tirado de um boliche.  


Como já esperado em um musical baseado em uma banda, a trilha sonora do filme transita entre os grandes sucessos de acordo com cada fase, indo desde os Four Lovers até a carreira solo de Frankie Valli. Os atores que interpretam os membros da Four Seasons, com exceção de Vincent Piazza, são músicos que fizeram parte do musical da Broadway, por isso, todas as cenas musicais presentes no filme foram executadas pelos próprios atores, sem dublagem. Inclusive o ator que interpreta Frankie Vallie no filme, John Lloyd Young, ganhou um Tony Award por sua performance no musical em 2006. Embora a Warner tenha pressionado para que houvessem rostos conhecidos no filme, Clint Eastwood bateu o pé com a ideia de colocá-los no filme. Segundo ele, quem melhor para conhecer os personagens do que quem já os viveu mais de 1000 vezes no musical. Jersey Boys obviamente agrada em maior escala aos fãs do Four Seasons, no entanto, não deixa de ser um ótimo filme, com um roteiro bem escrito e uma história bem desenvolvida que te conduz de maneira muito agradável pela trajetória dos músicos.





Título Original: Jersey Boys

Direção: Clint Eastwood

Elenco: John Lloyd Young, Vincent Piazza, Michael Lomenda, Erich Bergen, Christopher Walken, Joseph Russo, Renée Marino, Michael Doyle

Sinopse: Baseado no musical da banda Four Season, o filme mostra os problemas, os conflitos internos e todo o processo de desenvolvimento da banda de músicos de bar a grandes celebridades do mundo artístico.   

Trailer:



Galeria de Imagens



E vocês? Já viram o filme? Comentem abaixo e digam o que acharam! 

José Alves

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente sobre o filme ou o blog. Pergunte, reclame ou elogie.

Obrigado...