O Vendedor de Sonhos (2016) de Jayme Monjardim





O Vendedor de Sonhos é um filme nacional baseado no livro homônimo de Augusto Cury, escrito em 2008.



A história conta a transformação na vida de “Mestre” (interpretado por César Trancoso) a partir da perspectiva do renomado psicólogo Júlio César (vivido por Dan Stulbach). O personagem Mestre, que é um homem desapegado das coisas materiais, impede que o renomado psicólogo Júlio César tente se suicidar usando de seus conhecimentos sociais e filosóficos e se autointitulando “O Vendedor de Sonhos”.

Júlio César se interessa por saber quem é esse homem que o salvou e decide seguí-lo. Dando início a sua jornada de conhecimento pessoal.

A intenção do filme visa principalmente a mensagem contra os grandes capitalistas e tenta trazer ao público uma reflexão sobre o quanto perdemos a vida tentando chegar no topo da cadeia alimentar financeira enquanto o que realmente importa (família e amigos) não é valorizado no dia-a-dia. Só que o roteiro joga essa mensagem de forma banal. E as frases não levam em conta o contexto do filme em grande parte das cenas e acaba deixando a obra, por vezes, sem nexo. Assim como as piadas do personagem Boca-de-Mel, que é vivido por Thiago Mendonça (mais conhecido por seu papel como Renato Russo no filme Somos Tão Jovens de 2013). Ele é o personagem responsável por ser o alívio cômico da película, mas tem apenas falas jogadas ao vento e sem contexto com o que acontece em cena.

As falhas no roteiro fazem com que a trajetória inteira da película caminhe de maneira pouco orgânica, com cenas de ação mal colocadas tentando dar um ritmo intenso pro filme que não combina com seu tom.



Tanto a história de Meste, quanto a de Júlio, no fim das contas são desenvolvidas de forma rasa; apesar da impressão de que vamos nos aprofundar na vida dos personagens a cada plano invasivo da direção.

Se a mensagem a ser passada são puramente as ideias auto-motivacionais de Augusto Cury, o filme deveria trabalhar melhor o seu tempo explorando a angústia de cada um de seus personagens. Algo que é feito em apenas uma cena com o personagem de César Trancoso.

É deixado claro na história que os personagens que acompanhamos passaram por alguma dificuldade e decidiram seguir o mesmo caminho; que é o caminho do Vendedor de Sonhos. Mas se a história dos dois protagonistas já não segue bem desenvolvida, nada tenho a dizer do resto dos personagens, que agem sem motivação alguma durante suas aparições.

Pelo menos César Trancoso surpreende com sua atuação. E na primeira parte do filme, o ator consegue sustentar um certo interesse na história quando é intercalado a vida de seus dois personagens (Além do “Mestre”, Trancoso também dá vida ao empresário Mellon Lincoln, dono de uma grande empresa multinacional).

O único outro bom ponto do filme são os efeitos especiais, que não decepcionam nem um pouco e são usados em momentos bem pontuais de forma a compôr a história.



O desenvolvimento do personagem de Dan Stulbach é frustrante. Sem motivação desde o começo do filme, ele passa por um punhado de cenas constrangedoras até chegar num final que, mesmo o filme todo sendo aquém de qualquer expectativa, consegue decepcionar.

O cinema nacional já apresentou ótimos filmes como foi mostrado nessa nossa publicação aqui no blog. Mas este em específico não faz jus a essa leva de grandes filmes que o nosso país tem conseguido emplacar tanto no cinema doméstico quanto internacional na última década.

A mensagem que o filme passa pode ser muito significativa para o público que vai ao cinema, mas a técnica do filme e como suas partes se relacionam, deixam muito a desejar.




Título Original: O Vendedor de Sonhos

Direção: Jayme Monjardim

Elenco: César Troncoso, Dan Stulbach, Thiago Nascimento, Guilherme Prates, Marcelo Valle, Leonardo Medeiros

Sinopse: Júlio César (Dan Stulbach), um psicólogo decepcionado com a vida em geral, tenta o suicídio, mas é impedido de cometer o ato final por intermédio de um mendigo, o "Mestre" (César Troncoso). Uma amizade peculiar surge entre os dois e, logo, a dupla passa a tentar salvar pessoas ao apresentar um novo caminho para se viver. Adaptação do best-seller homônimo do psicoterapeuta e escritor Augusto Cury.



Trailer



Rodrigo Zanateli Ribeiro

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente sobre o filme ou o blog. Pergunte, reclame ou elogie.

Obrigado...