Especial: Blade Runner

Los Angeles, 2019: Uma sociedade futurista, decadente e sem regras morais. Esta é a cidade criada pelos roteiristas Hampton Fancher e David Peoples para o filme Blade Runner - O Caçador de Androides (1982). Aliás, muitas das obras de ficção científica escritas nos séculos passados, sejam elas no cinema, quanto na literatura, imaginavam que a esta altura de nossa civilização, estaríamos vivendo num mundo onde carros voariam, usaríamos teletransportes para facilitar nossa locomoção, e seriam comuns as viagens intergalácticas entre outras fantasias sonhadas. 


Porém, mais do que estes detalhes, o filme dirigido pelo consagrado diretor e produtor inglês Ridley Scott, que anos antes havia já dirigido o não menos fantástico filme Alien - O 8º Passageiro (1979), vislumbra uma civilização degradante. Ridley, com muita competência projeta o que de pior poderia acontecer com a civilização humana.

Lá em 1982, quando Blade Runner surgiu, assistimos ao filme com a sensação de que aquela sociedade distante e caótica, não passava de uma criativa obra cinematográfica, e que somente no cinema poderíamos ter um Planeta à beira do colapso. Será?

Temos na obra de Ridley inúmeras situações que se assemelham muito a nossa realidade atual, duvida? Confira:

Clonagem animal e humana: Sendo este último, o principal foco da obra;

Globalização cultural: Facilmente na obra de ficção vê-se diversas etnias circulando pela sombria Los Angeles de 2019;

Grandes Corporações dominando a sociedade;


Nossas cidades decadentes em função da alta taxa de poluição.

Blade Runner foi meticulosamente pensado quando se fala em produção, Ridley por diversas vezes cita que o filme é o mais completo e pessoal de sua carreira. O diretor criou uma atmosfera sombria, fez questão de tornar seu herói um personagem de moral questionável, não por acaso, há inúmeras discussões que circulam entre os fãs do filme, de que o personagem vivido por Harrison Ford, Rick Deckard, seja um replicante. Há também evidências claras de elementos religiosos, filosóficos e de comportamento moral, dentro do filme. Ridley aborda constantemente o impacto da tecnologia no ambiente e na sociedade e com isto, gerando ainda mais discussões sobre o caráter humano e suas consequências.
 

Estranhamente, Blade Runner não agradou o grande público, se tornou um filme médio em termos de bilheteria, mas com o passar dos anos, algo mudou no conceito do público, ao ponto de torná-lo um dos filmes mais bem conceituados em seu gênero, com reconhecimento de crítica tornando-o ”cult“ e conquistando fãs fervorosos.

Blade Runner possui ricas histórias de bastidores, inclusive na seleção de seu elenco. Os produtores apostaram em atores pouco conhecidos e a mais interessante situação ocorreu com Harrison Ford que não era o preferido pelos produtores do filme, sequer por Ridley, mas graças ao seu trabalho com Spielberg no filme Os Caçadores da Arca Perdida, acabou conquistando o papel principal.

Philip K. Dick cujo livro Do Androids Dream of Electric Sheep, que serviu de inspiração para os roteiristas de Blade Runner, também colheu louros com o sucesso de crítica, emplacando vários outros filmes inspirados em suas obras literárias.

Por tudo isto e por muitos outros elementos encontrados na inesquecível obra de Ridley Scott e Harrison Ford é que se aguarda ansiosamente a sequência desta obra-prima. 


Resta-nos acreditar que Blade Runner 2049, que tem previsão de estreia em outubro de 2017, seja tão rico quanto à obra original de 1982, e que o discurso final do replicante Roy Batty à beira da morte, não tenha sido a última demonstração de humanização nesta sociedade não tão fictícia, retratada na obra de Ridley:

“Eu vi coisas que vocês não imaginariam. Naves de ataque em chamas ao largo de Órion. Eu vi raios-c brilharem na escuridão próximos ao Portão de Tannhäuser. Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer”.





Título Original: Blade Runner

Direção: Ridley Scott

Elenco: Harrison Ford , Rutger Hauer, Sean Young, Edward James Olmos, M. Emmet Walsh, Daryl Hannah, William Sanderson, Brion James, Joe Turkell.

Roteirista: David Webb Peoples

Roteirista: Hampton Fancher

Autor da obra original: Philip K. Dick

TRILHA SONORA
Compositor: Vangelis

Sinopse: Numa decadente Los Angeles de 2019, Deckard (Harrison Ford) é um ex-policial (Blade Runner), que caça e extermina replicantes humanos criados artificialmente por uma grande corporação. A missão de Deckard é procurar em um ambiente hostil quatro replicantes rebeldes recém-chegados à Terra.

Trailer:



E aí Gostou? Já assistiu?

Comente!

Compartilhe :)

@dé garcia

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comente sobre o filme ou o blog. Pergunte, reclame ou elogie.

Obrigado...